Sem categoria

Desemprego e inadimplência

A situação do mercado de trabalho mundial não está tranquila em meio à crise do coronavírus. No entanto, apesar das incertezas, o momento pode servir para construir uma boa rede de contatos e mantê-la até depois da crise passar.

O desemprego foi o principal motivo para os brasileiros atrasarem o pagamento de suas contas entre janeiro e abril. A informação é de um levantamento da Recovery, empresa de gestão e administração de créditos em atraso, que ouviu 2.451 consumidores.

De acordo com a pesquisa, a proporção de pessoas que creditavam a falta de vagas ou a perda de um emprego pela inadimplência saltou de 4% para 26% até o final do ano passado.

Diante desse cenário, muitas pessoas buscam se recolocar no
mercado temendo a desvalorização ou até mesmo a perda do emprego.

Falta de controle sobre finanças pessoais

A falta de controle sobre as próprias finanças aparece em segundo lugar na pesquisa entre as razões da inadimplência, com 23% de respostas.

Logo, podemos afirmar que o desemprego e a falta de controle financeiro são questões que muitas pessoas têm enfrentado, principalmente por conta da pandemia, e que impactam diretamente no endividamento e no descumprimento das negociações das dívidas.

Atrasos nos pagamentos

E as pessoas que têm um emprego? Por que também estão endividadas? A questão é simples! Em função do momento delicado da economia, tem sido frequentes os atrasos nos pagamentos de salários.

Mesmo com a economia começando a mostrar um processo de recuperação, o brasileiro ainda não sente no bolso os efeitos práticos desse processo de melhora gradual. 

Desemprego elevado, diminuição de renda e falta de controle financeiro

Além do desemprego elevado, outros motivos levam os brasileiros à situação de inadimplência: diminuição de renda, falta de controle financeiro e o empréstimo de nome a terceiros.

Quando você consegue estabelecer suas maiores prioridades, é mais fácil não fazer dívidas e economizar para alcançar os tão sonhados objetivos estipulados em seu planejamento.

E aí, está gostando dos nossos conteúdos? Deixe seu comentário aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *